Conhecido por fazer apologia ao uso da maconha em seus álbuns e por vários escândalos envolvendo drogas e prostitutas, o rapper Snoop Dogg, que iniciou sua carreira em 1992 com o pseudônimo Snoop Doggy Dogg, quando foi descoberto pelo rapper Dr. Dree, anunciou durante uma entrevista ao programa “The Pharmacy”, transmitido pela rádio Beats 1, que está trabalhando em um álbum gospel.

De acordo com o artista de 45 anos, o projeto é um desejo antigo do seu coração e que ele sente que esse é o momento para investir nessa ideia.

“Isso (um disco gospel) sempre esteve no meu coração. Eu só nunca consegui fazer porque sempre estava fazendo coisas de gângster e ocupado com outras coisas, mas eu sinto que isso está no meu coração por tempo demais e preciso fazer agora”, disse.

Snoop também adiantou o nome de três artistas com quem ele sonha ter no projeto. Um deles é a cantora Faith Evans, que faz a linha R&B e participou em 2003 do filme “Resistindo às Tentações” ao lado de Cuba Gooding Jr e Beyoncé. Outro possível artista e que até já colaborou com Snoop Dogg em outros discos é o cantor Charlie Wilson, que, ao lado dos irmãos Ronnie e Robert, criou a The Gap Band, que revolucionou o R&B e o funk na década de 80. Fechando a lista está o cantor Jeffrey Osborne, que iniciou sua carreira no final dos anos 60 e cantou ao lado de Michael Jackson e Lionel Richie no sucesso “We are the World” e escreveu canções que foram eternizadas pela voz de Withney Houston.

Apesar de nunca ter declarado suas convicções religiosas, o rapper, que lançou seu mais recente álbum – “Neva Left” – no dia 19 de maio deste ano, já postou alguns vídeos em seu Instagram mostrando suas preferências dentro do gospel. No dia 23 de abril, enquanto estava em seu ônibus de turnê, ele publicou três vídeos em que ouvia as canções “God Bless the Child”, de David Piston, “Endow Me”, de Twinkie Clark, e “Cooling Water”, de Lee Williams.

Comentários

Comentários

- Publicidade -
Rafael Ramos
Jornalista, amante de música boa e um mero representante da geração Y com alguns resquícios da geração Z